COMUNIDADES
COMUNIDADES

Papa:

as religiões não são a causa da violência

“A cultura do diálogo como caminho; a colaboração comum como conduta, o conhecimento recíproco como método e critério”. Palavras do Papa Francisco no encontro com os participantes do encontro promovido pelo “Instituto para o Diálogo Inter-religioso da Argentina”

Jane Nogara - Cidade do Vaticano

O primeiro compromisso do Papa Francisco nesta segunda-feira (18) foi a audiência aos participantes do encontro promovido pelo “Instituto para o Diálogo Inter-religioso da Argentina”.

O encontro tem como tema central a análise do documento: “Fraternidade humana em prol da paz mundial e da convivência comum” assinado em Abu Dhabi no dia 4 de fevereiro deste ano entre o Papa Francisco e o Grão Imame de Al-Azhar, Ahmad Al-Tayyeb. O Papa manifestou sua satisfação em “constatar que este Documento, de caráter universal, esteja se difundindo também nas Américas”.

Tradições, fonte de inspiração

"Como disse durante a Conferência Mundial da Fraternidade Humana", continuou o Papa: “Não existe alternativa: ou construímos o futuro juntos, ou não haverá futuro. As religiões, de modo especial, não podem renunciar à urgente tarefa de contruir pontes entre os povos e as culturas”. E acrescenta: “Nossas tradições religiosas são uma fonte necessária de inspiração para fomentar a cultura do encontro, é fundamental a cooperação inter-religiosa, baseada na promoção de um diálogo sincero e respeitoso”.

Confirmando os objetivos o Pontífice destaca:

“ A intenção do Documento é adotar: a cultura do diálogo como caminho; a colaboração comum como conduta, o conhecimento recíproco como método e critério. De agora em diante pode-se afirmar que as religiões não são um sistema fechado que não se pode mudar, mas sim, que estão a caminho ”

O Papa recorda também que “a fraternidade é uma realidade humana complexa, à qual se deve prestar muita atenção e tratá-la com delicadeza”, portanto devemos sempre nos perguntar como agir, o que podemos fazer para que as religiões sejam canais de fraternidade e não barreiras de divisão.

“ É importante demonstrar que os que creem são um fator de paz para a sociedade humana e assim podemos responder aos que acusam injustamente as religiões de fomentar ódio e ser a causa da violência ”

Por fim Francisco afirma “No mundo precário de hoje, o diálogo entre as religiões não é um sinal de fraqueza. Isso encontra sua razão de ser no diálogo de Deus com a humanidade”.

Fonte: www.vaticannews.va


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


Frei Gilberto Bedin
13 Intereclesial das CEBs
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut ac enim aliquam, porttitor tellus sit amet, aliquam sem. Proin facilisis elit id pharetra dictum. Vivamus ante nibh, accumsan et viverra a, fringilla eget diam. Nulla facilisi.

E, clamando Jesus com grande voz, disse: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. E, havendo dito isso, expirou - Lucas 23:46
(65) 3661-3547
pnsap@terra.com.br
Rua E 5, 121 - Jd. Nossa Sra. Aparecida - B. Coxipó da Ponte
78089-970 - Cuiabá